Maldita religiosidade

Por: Will blog CelebraiVia: Tomei a pílula vermelha





As grandes batalhas encontradas na Bíblia não estão registradas nos livros das Crônicas dos Reis de Israel - tão pouco no Antigo Testamento, os grandes entraves nas Escrituras são mencionados nos evangelhos onde de um lado se vê um Deus humano e gente contra homens "deuses" de si mesmo; sim, pode lhe parecer estranho, mas as maiores guerras não são as que contêm mortes através da espada, as maiores batalhas encontradas na Bíblia com toda certeza são aquelas onde as personagens são o próprio Deus contra os religiosos judeus.

Talvez você pergunte por quê; digo-lhe ser isso muito evidente: A missão de Cristo foi, sobretudo, a libertação do homem de tentar ser Deus e admitir quão bom é ser gente dependente de Deus.

Eu sempre sofri com a frase de Karl Marx: "A religião é o ópio do povo". Minha angústia para com essa idéia não está no conceito marxista de que a principal função da religião é anestesiar o homem de sua realidade – o cristianismo revelado nas Escrituras contradiz Marx, mas penso sim, e a cada dia me convenço de que infelizmente a religião é ópio do povo enquanto serve pra infantilizá-lo, enquanto serve pra aliená-lo.

No último sábado dois queridos amigos se casaram (diga-se de passagem, foi um dos melhores casamentos que já participei). Já havia decidido que o casamento deles seria um divisor de águas na minha vida: eu iria dar o primeiro passo para romper com todos os fragmentos alienantes que a religião propunha sobre mim. O momento que mais ansiei foi a hora da valsa seguida pela liberação da pista de dança; instantes antes me pus a pensar como seria – cheguei até a titubear, mas logo fui envolvido pelo aviso do DJ quanto ao inicio da valsa. Em acabando a valsa, voltei ao meu devido lugar, tão logo a música começou, a pista foi liberada, relutei, confesso, tive medo de não ser mais o mesmo, tive medo de magoar e escandalizar muitos dos que ali estavam, porém algo dentro de mim dizia: herói ou covarde? Jesus ou Pedro? Aceitar a religiosidade ou pular os seus muros? Enfim, dancei, e dancei por mais de três horas seguidas, não sei se o fiz bem, até porque fazia tempo que não chacoalhava o esqueleto, mas fiz. Enquanto dançava um sentimento de liberdade tomou conta de mim, ouvia aplausos no meu consciente, me sentia a cada hora que passava ali dançando um herói.

Quando o ímpeto acabou voltei ao meu lugar por definitivo, logo percebi nos olhos de muitos, uma repulsa imensurável, vi revolta e senti desaprovação, mas tudo isso não me abalou, eu estava satisfeito. (Daria tudo pra estar em Caná da Galiléia, dançando com o mestre, cantando e batendo palmas assim como ainda fazem os judeus.) Contudo, algo me abalaria naquela noite. Ao abraçar uma das pessoas que ali estavam recebi uma recomendação: irmão William! Acho melhor você não tomar Ceia amanhã depois desse pecado que você cometeu. Eu estava com o pensamento tão longe que não consegui discernir serem aquelas palavras uma condenação ou uma ironia, só sei que aquela frase me roubou algumas horas da madrugada do domingo. Não tive tragados alguns minutos de minha noite pelo fato de ser aquela pessoa que me disse isso e sim pelo que ela disse.

Sendo ironia ou não, o fato é que muitos pensaram como ela, alguns externaram outros estão até agora explodindo por dentro. Agora eu sei como se sentiram os religiosos quando viram Jesus sentado à mesa com prostituas e publicanos e como se sentiu o mestre, o sentimento é o mesmo, cheguei à conclusão de que a religião "lavou" de tal forma a capacidade sensitiva e raciocinaria das pessoas, de modo que elas colocam no inferno uma pessoa pelo fato dela ter insistido em ser gente e estar com gente.

São inúmeras as provas e incontáveis os fatos que provam o quanto a religião pode alienar o ser humano, constam nos anais da história da humanidade tristes casos em que pessoas se mataram acreditando pegar "carona" em cometas, Galileu foi obrigado pela religiosidade a contradizer-se, as cruzadas talvez seja o maior exemplo do quanto a religião é poderosa em alienar o ser humano, jihad's aconteceram e acontecem a todo instante, tanto no Oriente como em qualquer lugar onde mata-se pela causa de Deus. Quantos homens e mulheres têm suas almas e seus sentimentos assassinados nas igrejas evangélicas brasileiras – tudo em nome dos bons costumes; quão incontáveis foram os escravos assassinados pelos colonizadores com o apoio da Igreja de Roma e em alguns casos sob o lema da predestinação.

O que os evangélicos (reformados, pentecostais, pseudos e afins) não sabem ou se sabem fingem não saber, é que Lutero e todos os "grandes" da fé Cristã não lutaram apenas contra a idolatria da igreja Romana – isso foi o de menos, o que eles mais buscaram foi anunciar que o homem através da graça da Deus e mediante a Fé no Filho de Deus deveria insistir e acreditar na humanidade, e esta ainda que decaída, poderia ser restaurada pelo sacrifício de Cristo sem deixar de ser gente e de gostar de gente.

Decidi me tornar num forte opositor da religiosidade (embora já seja com reservas), desacreditando que ela possa assumir e efetuar os sonhos de Deus para com o homem; acredito ser uma espiritualidade genuína o sonho de Deus para sua imagem e semelhança. Vou dar a cara para bater, vou colocar minhas duas mãos no fogo pelo reino de Deus, que não infantiliza; que não adestra e que não aliena; reino que liberta o homem do velho homem e dá a ele a alegria de ser gente; que livra o homem no corpo da morte, reino que forja no ser decaído a imagem do Filho de Deus.

Por fim, concluo o quão pobre são os religiosos, querem deixar de ser homem achando o ser Deus algo mais nobre - ledo engano, e a maior prova disso é que o próprio Deus insistiu em ser homem provando a todos que é possível "ser humano" sem deixar de ser divino.

Em Cristo, que dançou e bebeu muito no casamento em Caná de Galiléia,

Meu grande brother Will no blog Celebrai!

P.S.: "A missão de Cristo foi, sobretudo, a libertação do homem de tentar ser Deus e admitir quão bom é ser gente dependente de Deus." Genial, profundo e certeiro...

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...